Você está aqui: Página Inicial > Contents > Notícias > Grupo de pesquisa do DEP já publicou três livros em 2015

Notícias

Grupo de pesquisa do DEP já publicou três livros em 2015

por publicado: 20/05/2015 12h43 última modificação: 21/12/2015 12h20

O Grupo de Pesquisa Conforto, Eficiência e Segurança no Trabalho (CESET), vinculado ao Departamento de Engenharia de Produção do Centro de Tecnologia da Universidade Federal da Paraíba (DEP/CT/UFPB), já produziu e publicou três livros somente neste início de 2015, obras que envolveram professores pesquisadores, estudantes e bolsistas de instituições nacionais e internacionais.

Os livros são ‘Uma proposta de modelo para predição da intenção de compra – Uma perspectiva de investigação do mercado consumidor’, de Erivaldo Lopes de Souza; ‘Relação entre variáveis térmicas e desempenho – Um estudo com estudantes da Academia de Polícia Militar do Estado da Paraíba’, de Priscila Élida de Medeiros Vasconcelos e Antônio Souto Coutinho, e ‘Ambientes de ensino inteligentes – Conforto térmico, desempenho cognitivo e parâmetros cardiovasculares de alunos universitários’, de Joseana Fernandes Siqueira. Todas as três publicações tem como coautor o professor Luiz Bueno da Silva.

O CESET é um grupo de pesquisadores cadastrado no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e certificado pela UFPB desde 2002. As obras levam o selo da editora alemã Schaltungsdienst Lange o.H.G., sediada em Berlim, e são frutos de pesquisas coordenadas pelos docentes Luiz Bueno da Silva e Antônio Souto Coutinho, dos quadros do DEP/CT.

Conforme os coordenadores, a edição dos três volumes possibilitou a concessão de três títulos de mestre em Engenharia de Produção, “bem como promover a construção de monografias e proporcionar bolsas de iniciação científica para alunos de diversas áreas, com fluxo maior na Engenharia de Produção”.

Livro I - ‘Uma proposta de modelo para predição da intenção de compra – Uma perspectiva de investigação do mercado consumidor’

Com aplicação na área de modelagem matemática & simulação, utilizando-se de técnicas estatísticas na área de modelos linear de regressão multinomial, procurou predizer a intenção de compra na Internet dentro de uma perspectiva de investigação do mercado consumidor. A estrutura do modelo criado vem subsidiando resultados mais precisos na área de Ergonomia e Segurança no Trabalho.

Livro II - ‘Relação entre variáveis térmicas e desempenho – Um estudo com estudantes da Academia de Polícia Militar do Estado da Paraíba’

Trata-se de um estudo piloto realizado na Academia da Polícia Militar de João Pessoa para estudar a relação entre conforto térmico e desempenho dos cadetes. Este estudo foi considerado bem robusto por especialistas e se tornou uma dissertação. E, ainda, serviu de inspiração para a criação de um projeto de pesquisa mais amplo e aprovado pelo CNPq (2013-2016) sobre ‘Conforto, saúde e desempenho em ambientes de ensino inteligentes (news ICT) em áreas de regiões brasileiras, mas dentro do contexto de mudanças climáticas’, com participação de instituições nacionais e internacionais. Este projeto possui 7 bolsistas de iniciação científica nas áreas de Engenharia Produção, Fisioterapia, Terapia Ocupacional e Psicologia, mais dois alunos bolsistas da CAPES do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção (PPGEP). Há na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto uma bolsista desenvolvendo parte do projeto, e a parte restante é realizada por outra bolsista na Universidade do Minho, ambas em Portugal.

Livro III - ‘Ambientes de ensino inteligentes - Conforto térmico, desempenho cognitivo e parâmetros cardiovasculares de alunos universitários’

Este livro já faz parte de resultados parciais do projeto mencionado anteriormente. Utilizamos uma modelagem matemática linear generalizada (MLG) para estudar como os parâmetros cardiovasculares e o conforto térmico influenciam no desempenho de alunos de uma universidade privada (João Pessoa, PB) e uma universidade pública (São Carlos, SP). Os resultados apontam que a acurácia do desempenho cognitivo se eleva de 70 para 75% quando os alunos estão submetidos à temperatura do ar que consideram neutra, com a frequência cardíaca máxima e pressão arterial média adequadas para a atividade executada.